Como já é sabido, a mamografia é tida como o principal método de rastreio para a prevenção e tratamento do câncer de mama.

Esse exame consiste em um estudo radiográfico, por meio do Raios X, que possui baixo índice de radiação e pode detectar, até mesmo de maneira precoce, lesões sugestivas de tumores de mama, mesmo quando eles ainda não são percebidos através dos exames realizados manualmente.

 

Detectar essas lesões e obter o diagnóstico positivo, inclusive por meio de exames complementares, pode colaborar para um tratamento mais efetivo, aumentando a possibilidade de cura da paciente quando feito o diagnóstico precoce.

O mercado oferece hoje dois tipos principais de aparelhos para a realização dos exames de mamografia (convencional e digital), e o laudo deve ser feito de acordo com o BI-RADS, que é a classificação internacional dos exames de mamografia.
Essa classificação varia de 0 a 6. Isso significa que, quanto maior o número, maior a chance de ser uma lesão maligna.

Em alguns casos, as pacientes devem fazer a mamografia em períodos mais curtos de tempo e, se necessário, também realizar a biópsia da região desejada, uma vez que ela é o que dá a certeza do diagnóstico do câncer de mama.

A mamografia digital é o método mais atual e possui uma qualidade de imagem superior, quando comparada a mamografia convencional. Além disso, as imagens ficam armazenadas em um sistema automatizado, evitando que os exames se percam e permitindo a transmissão de características mais específicas de determinadas lesões. Dessa forma, o médico pode avaliar de maneira mais detalhada qualquer ponto anormal.

 

Principais vantagens da utilização da mamografia digital

A mamografia digital cria imagens com mais qualidade, permitindo clara visualização de nodulações ou calcificações.

A qualidade da imagem também auxilia o médico a detectar a doença em seu estágio inicial, algo que nem sempre é possível através do toque.

Outra vantagem é o zoom digital, capaz de ampliar as imagens suspeitas de malignidade. Além disso, a mamografia digital também funciona de maneira mais efetiva em mamas mais densas e em mulheres com menos de 25 anos de idade. Nesses casos, a mamografia convencional, em contrapartida, não oferece uma boa visualização do tecido mamário.

E, justamente por conter um sistema automatizado, as imagens geradas pela mamografia digital podem ser visualizadas diretamente pelo médico radiologista, que também pode mudar a posição das mamas para analisar melhor determinadas áreas suspeitas.

Essa agilidade na realização e laudo dos exames é a responsável por diminuir o tempo e melhorar a eficácia dos resultados.

É bom para quem solicita, para a clínica e, principalmente, para a paciente.