Você saberia dizer quais são as principais características que diferenciam a Tomografia Computadorizada e a Ressonância Magnética?

Essa é uma dúvida comum entre os pacientes, já que o acesso aos exames de saúde mais complexos cresceu e ocupou o lugar de exames mais populares, como o Raios X e o Ultrassom.

É por isso que alguns acreditam que a Tomografia Computadorizada é apenas um Raios X melhor desenvolvido ou que a Ressonância Magnética não é muito diferente a não ser pela necessidade de permanecer imóvel por um período de tempo maior.

Ainda que em ambos os casos as imagens geradas pelos equipamentos apresentem alta resolução, há uma grande diferença entre estes métodos de diagnóstico e peculiaridades para que os exames possam ser realizados com qualidade e segurança.

Os equipamentos de Ressonância Magnética e Tomografia Computadorizada apresentam uma certa semelhança, mas seu funcionamento é completamente distinto. Devido ao formato destes equipamentos, como se fosse um tubo, algumas pessoas podem sentir receio ou medo de permanecer exposto ao exame, é o que chamamos de claustrofobia. Esta reação é mais comum na Ressonância Magnética, pois o equipamento é maior e aumenta esta sensação de estar em um local fechado, apesar de que todos os equipamentos, hoje em dia, são abertos nas extremidades e há constante ventilação para maior conforto do paciente.

 

Características da Tomografia

Para se realizar exames de tomografia computadorizada é necessário um equipamento próprio, como o exemplo acima, um console de operações que se trata de um computador para processamento dos dados e que possui uma série de programas e aplicativos que auxiliam no processamento das imagens que serão geradas pelo equipamento. Dentro do equipamento existem diversos componentes onde se destacam o tubo de Raios X e os detectores, pois todo o conjunto vai girar em torno do paciente conforme a programação do operador do equipamento e neste momento o tubo gera energia que atravessa o paciente e chega aos detectores, então, estas informações são captadas e transformadas em dados através de um computador. Após esta etapa de aquisição, os médicos e operadores poderão realizar pós processamentos dos volumes de imagens, em estações de trabalho, para que o diagnóstico possa ser finalizado pelos médicos radiologistas.

A tomografia computadorizada é um excelente meio de se ter informações cruciais para o auxílio em diversos tratamentos, bem como detecção de patologias. É um exame que pode ser realizado em questão de segundos e com ótima qualidade. As principais aplicações deste método são para estudo do crânio, de órgãos da cavidade torácica e abdominal, mas são padrão ouro para exames de estruturas ósseas e partes moles, bem como avaliação pós cirúrgica e posicionamento de próteses.

 

Características da Ressonância Magnética

Para se realizar exames de ressonância magnética é necessário um sistema composto por um campo magnético, computadores, bobinas emissoras e receptoras de radiofrequência, além de outros equipamentos que dão suporte ao funcionamento destes citados. Basicamente, o equipamento emite ondas de radiofrequência que interagem com o corpo em estudo, mais precisamente com prótons de Hidrogênio presentes na estrutura, e estes prótons emitem uma energia que é captada por bobinas receptoras. Estes dados são convertidos em um sinal eletromagnético e, através de computadores, são convertidos em imagens.

A ressonância magnética é o melhor método de diagnóstico para diversas estruturas do nosso corpo, portanto, muito requisitado por especialidades médicas como neurologia, ortopedia e traumatologia, e médicos como mastologistas, proctologistas, endocrinologistas, gastroenterologistas, urologistas, angiologistas (vasculares), etc. No entanto, é importante saber que nenhum método é considerado autossuficiente para todos os diagnósticos e é muito comum que exames complementares sejam necessários para que um diagnóstico seja concluído.

Quando cada um deve ser utilizado?

Um médico especialista deve ter a perspicácia de escolher o melhor exame para cada caso específico e cabe a este profissional determinar “quando cada um deve ser utilizado”. É sempre importante que os médicos, dentro de suas especialidades, mantenham contato com os médicos radiologistas (especialistas em diagnóstico por imagem) a fim de que tenha maior assertividade na escolha do melhor método para cada paciente.

 

É importante saber também que muitos diagnósticos são dados pela soma de informações, ora por um exame de ressonância, ora por uma tomografia ou até mesmo Raios X e ecografia.